Quatro projetos da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (REPCT) foram aprovados na chamada pública do Programa de Eficiência Energética da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e receberão mais de R$ 18 milhões para investimento em P&D e minigeração de energia.

Os projetos selecionados pela chamada e demais submetidos pela Rede Federal foram apoiados pelo Programa para o Desenvolvimento em Eficiência Energética e em Energias Renováveis, o EnergIF, ação da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC/MEC), em parceria com a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH e o Núcleo de P&D para Excelência e Transformação para o Setor Público da Universidade de Brasília (NEXT/UnB). O EnergIF possui 4 eixos temáticos e 1 eixo transversal, nos quais estão distribuídas as 15 ações do projeto. Mais informações sobre o programa podem ser acessadas no site: www.energif.org.

Na chamada “Eficiência Energética e Minigeração em Instituições Públicas de Educação Superior” foram habilitadas propostas dos Institutos Federais de São Paulo (dois projetos nos Campi São Paulo e Boituva), de Goiás (ações para diversos campi) e do Sul de Minas (projeto para o Campus Poços de Caldas), as quais terão três anos para executar suas ideias. Durante as etapas de submissão, o EnergIF disponibilizou às instituições da Rede Federal interessadas consultoria especializada para suporte à elaboração das propostas.

As iniciativas de Eficiência Energética (EE) e Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) apoiadas pela chamada da ANEEL têm como objetivos: trocar equipamentos energeticamente ineficientes por outros mais eficientes; estimular a mudança de hábitos de consumo de professores, alunos e funcionários das Instituições Públicas de Educação Superior; implantar plantas de minigeração de energia elétrica nessas instituições; reduzir suas contas de energia elétrica; implementar novas formas de gestão energética e análise de impacto da inserção dessa geração na rede da concessionária, por meio de ações de pesquisa, desenvolvimento e inovação; promover a capacitação técnica e acadêmica; e aprimorar a infraestrutura laboratorial.

Os projetos selecionados foram avaliados pela originalidade, aplicabilidade, relevância e razoabilidade de custos por banca composta por representantes do Ministério da Educação – MEC, Ministério de Minas e Energia – MME, Empresa de Pesquisa Energética – EPE e do Programa Nacional de Conservação de Energia – PROCEL/ELETROBRÁS.

O Relatório elaborado pela ANEEL sobre a chamada, com os resultados das instituições habilitadas, estão disponíveis em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/adsp20171758_1.pdf